Milhões de casos a mais de violência, são esperados devido à pandemia de COVID-19

Uma visão clara dos estragos da pandemia do COVID-19 está apenas começando a tomar forma, mas especialistas estimam que o custo humano pode ser extraordinário. As perturbações econômicas e físicas causadas pela doença, podem ter vastas consequências para os direitos e a saúde de mulheres e crianças, de acordo com estudo realizado nos Estados Unidos recentemente.

Níveis significativos de interrupções relacionadas a quarentena em seis meses podem deixar 47 milhões de mulheres em países de baixa e média renda incapazes de usar contraceptivos, levando a um número estimado de 7 milhões de gravidezes indesejadas. Seis meses de bloqueios podem resultar em 31 milhões de casos adicionais de violência de gênero.

Também se espera que a pandemia cause atrasos significativos nos programas que combatem com a mutilação genital feminina e o casamento infantil, resultando em cerca de 2 milhões de casos a mais destes casos na próxima. Esses programas atrasados, além das crescentes dificuldades econômicas em todo o mundo, podem resultar em um número estimado de 13 milhões de casamentos de crianças nos próximos 10 anos.

Esses números – produzidos em colaboração com os parceiros Avenir Health, Johns Hopkins University (EUA) e Victoria University (Austrália) – são estimativas aproximadas. Ainda não se sabe muito sobre como a pandemia e a resposta a ela ocorrerão em todo o mundo. Mas, juntas, as projeções oferecem uma visão alarmante do futuro que poderia enfrentar mulheres e meninas se não fossem feitos esforços urgentes para garantir seu bem-estar e garantir seus direitos.

Esses novos dados mostram o impacto catastrófico que o COVID-19 em breve poderá ter sobre mulheres e meninas em todo o mundo.

A violência aumenta e o apoio diminui

O mundo já está sofrendo com os sinais de um aumento na violência contra mulheres e meninas, um aumento no número de pedidos de socorro em centros de apoio a vítimas de violência.

A nova avaliação prevê duas maneiras pelas quais a pandemia contribui para o aumento da violência de gênero. O primeiro é através de interrupções nos programas para prevenir a violência e nos serviços direcionados aos cuidados e apoio aos sobreviventes. A segunda é através do aumento do total de atos de violência, já que os bloqueios mantêm as mulheres mais tempo com seus agressores e as famílias enfrentam estressores, como turbulência econômica.

Durante o período de toque de recolher, o número de mulheres que enfrentam violência de seus maridos, aumentou claramente, pois a mulher fica presa em casa.

Escolha reduzida

O mundo também já está vendo perturbações generalizadas nos serviços de planejamento familiar.

Em muitos lugares, os serviços de saúde estão fechando ou limitando os serviços. Nos casos em que os sistemas de saúde estão sobrecarregados com os casos de COVID-19, a equipe clínica pode não ter o tempo ou o equipamento de proteção individual necessário para fornecer aconselhamento e produtos de planejamento familiar. Em alguns lugares, as mulheres se abstêm de visitar as unidades de saúde devido a restrições de movimento ou temores sobre a exposição ao COVID-19.

Além disso, as interrupções na cadeia de suprimentos estão limitando a disponibilidade de contraceptivos em muitos lugares. Nos próximos seis meses, são esperadas faltas em mais de uma dúzia dos países de menor renda. Além disso, podem ocorrer atrasos significativos nos esforços planejados para ampliar o acesso ao planejamento familiar para as populações mais vulneráveis e marginalizadas.

A pandemia está aumentando as desigualdades, e milhões de mulheres e meninas agora correm o risco de perder a capacidade de planejar suas famílias e proteger seus corpos e sua saúde.

Entretanto de acordo com a Dra. Natalia Kanem, diretora executiva do UNFPA. (Fundo das Nações Unidas para a População) O mundo pode tomar medidas para garantir o acesso contínuo aos cuidados de saúde reprodutiva e para proteger os direitos e a dignidade de todas as mulheres e meninas.

A saúde e os direitos reprodutivos das mulheres devem ser salvaguardados a todo custo”, de acordo com a Dra Kanen. “Os serviços devem continuar, os suprimentos devem ser entregues e os vulneráveis devem ser protegidos e apoiados.”

FONTE:

https://www.unfpa.org/news/millions-more-cases-violence-child-marriage-female-genital-mutilation-unintended-pregnancies?fbclid=IwAR0ZGvFUg_7VRT4EsS_-o6gjLZWGCXyLlBNBe4lRambwZhFqCX384Y0rFDAhttps://bit.ly/2VKC5st

Compartilhe isto: