Violência contra a gestante por parceiro íntimo – Consequências para mãe e bebê

A violência contra as mulheres, cometida por um parceiro íntimo, é uma importante questão de saúde pública e direitos humanos. Nos últimos anos, muita atenção tem se concentrado também na violência do parceiro íntimo durante gravidez devido à sua prevalência, e as consequências adversas para a saúde da mãe e do feto e potencial de intervenção.

Violência por parceiro íntimo durante a gravidez A violência por um parceiro íntimo é manifestada por atos abusivos físicos, sexuais ou emocionais, bem como pelo controle de comportamentos.

A maioria dos estudos sobre violência por parceiro íntimo  durante a gravidez, apesar de abuso sexual e emocional também são considerados como prejudiciais não só para mulheres mas também para o bem-estar de seus filhos.

Uma forma comum de violência contra a mulher grávida  ocorre quando o parceiros abusivos usam como alvo o abdômen de uma mulher, dessa forma, não apenas prejudicando as mulheres, mas também potencialmente pôr em risco a gravidez.

Um estudo multicêntrico realizado  pela OMS (Organização Mundial de Saúde)com grupos populacionais conduzidas em vários países usando os mesmos métodos e definições, observou que  a prevalência de violência física entre parceiros variam entre 1% na cidade do Japão e 28% na província do Peru, com a maioria dos eventos variando entre 4% e 12%. Estudos clínicos em todo o mundo, que tendem a produzir maiores prevalências, mas são as únicas fontes de informação disponíveis, encontraram a maior prevalência no Egito com 32%, seguidos pela Índia (28%), Arábia Saudita (21%) e México ( 11%). Uma recente revisão de estudos clínicos da África relata taxas de prevalência de 23-40% para violência física, 3-27% para sexual e 25-49% para violência íntima emocional durante a gravidez

A violência por parceiro íntimo durante a gravidez tem sido associada a desfechos adversos fatais e não fatais para a gestante e seu bebê, devido ao trauma direto do abuso ao corpo da gestante, bem como aos efeitos fisiológicos e do estresse que este tipo de abuso, atual ou passado possa causar no crescimento e desenvolvimento fetal.

O homicídio é a consequência mais extrema da violência praticada pelo parceiro íntimo.

Evidências dos EUA sugerem que a violência por parceiro íntimo durante a gravidez é um fator de risco para o aumento do risco de mulheres serem mortas pelo mesmo.

Por exemplo, um exame dos registros de policiais e médicos legistas em 11 cidades americanas mostrou que a gravidez aumentou significativamente o risco das mulheres de se tornarem vítimas de homicídio por parceiro íntimo e que os homens que abusam de seus parceiros durante a gravidez parecem ser particularmente perigosos e mais propensos a cometer homicídio.

Ainda assim, a ligação entre o homicídio por parceiro íntimo e a gravidez precisa ser mais explorada.

Os resultados de saúde não fatais associados à violência por parceiro íntimo durante a gravidez incluem resultados de saúde materna e neonatal.

Especificamente, pesquisas anteriores descobriram que as mulheres que relataram abuso durante a gravidez tiveram taxas mais altas de retardo de crescimento intrauterino e parto prematuro do que as mulheres que não sofreram abuso, o que pode levar ao baixo peso ao nascer e outros riscos neonatais.

A experiência de violência por parceiro íntimo durante a gravidez também tem sido associada ao aumento do risco de abortamento entre mulheres.

Outros também encontraram aumento do risco de hemorragia gestacional e morte perinatal.

O abuso durante a gravidez também pode levar a consequências de curto e longo prazo para a saúde das mulheres grávidas, incluindo a mortalidade materna. Suicídio após a gravidez , comportamentos de saúde negativos.

A violência por parceiro íntimo durante a gravidez está significativamente associada a diversos comportamentos adversos à saúde durante a gravidez, incluindo tabagismo, abuso de álcool e drogas e demora no pré-natal, mesmo após o controle de outros fatores mediadores.

Possíveis explicações são que as mulheres fumam, bebem ou tomam drogas para automedicação para lidar com o estresse, vergonha e sofrimento causados ​​pelo abuso.

Atrasos no pré-natal podem ser devidos a parceiros abusivos que impedem as mulheres de sair de casa ou a mulheres vítimas de abuso por falta de atendimento devido a lesões.

É necessária uma pesquisa mais aprofundada,  sobre como a violência íntima entre parceiros durante a gravidez afeta o comportamento e a saúde destas mulheres, especialmente em locais de poucos recursos, já que evidências de estudos populacionais de Bangladesh, Quênia, Ruanda e Zimbábue mostram que mulheres que já experimentaram a violência do parceiro tem menor probabilidade buscar um serviço de saúde.

CONSEQUÊNCIAS DA VIOLÊNCIA CONTRA GESTANTE

Lesões resultantes da violência por parceiro íntimo durante a gravidez incluem fraturas,  cortes, queimaduras, hemorragias, dentes quebrados e dores de cabeça persistentes.

Embora a violência por parceiro íntimo possa estar frequentemente direcionada ao  abdômen da gestante,  mulheres grávidas abusadas também relatam que seus parceiros foram direcionados a outras partes do corpo, como nádegas, mamas, genitais, cabeça e pescoço e extremidades.

Golpes diretos na violência por parceiro íntimo durante a gravidez podem trazer as seguintes consequências a mãe a ao bebê:

  • Baixo peso ao nascer
  • Trabalho de parto prematuro
  • Ganho de peso insuficiente
  • Complicações obstétricas
  • IST / HIV
  •  Aborto espontâneo
  • Aborto provocado
  • Abuso de álcool e drogas durante a gravidez
  • Fumar durante a gravidez
  • Lesões
  • Comprometimento físico
  • Depressão
  • Dificuldades ou falta de apego à criança
  • Óbito

Outro indício de que a violência por parceiro íntimo durante a gravidez tem consequências no  puerpério (pós parto) pesquisadores  encontraram níveis aumentados de ansiedade até seis meses após o nascimento entre bebês cujas mães sofreram violência do parceiro durante a gravidez .

Um estudo longitudinal mostra que o estresse pré-natal materno pode trazer  problemas comportamentais e emocionais nas crianças até quatro anos depois, podendo trazer consequências no humor e no desenvolvimento comportamental da criança.

Pesquisas mostram claramente que a gravidez não impede a ocorrência de violência por parceiro íntimo, mas existem evidências conflitantes sobre se a violência por parceiro íntimo aumenta ou diminui durante a gravidez.

FATORES DE RISCO

Os fatores de risco para a violência por parceiro íntimo durante a gravidez são semelhantes aos fatores de risco para violência por parceiro íntimo no geral.

Um fator de risco potencial significativamente associado à violência por parceiros íntimos durante a gravidez é ter uma gravidez indesejada ou não planejada, como vários estudos de base populacional em Bangladesh, Bolívia, República Dominicana, Quênia, Malauí, Moldávia, Nova Zelândia, Ruanda e Zimbábue. Uma pesquisa populacional norte-americana também mostrou que mulheres que tiveram uma gravidez mal-intencionada ou indesejada relataram níveis significativamente mais altos de abuso durante a gravidez em comparação com aquelas com gravidez desejada (15% versus 5%).

O atendimento pré-natal fornece uma janela de oportunidade para identificar mulheres que sofrem violência por parceiro íntimo.

Não só é muitas vezes o único ponto de contato para as mulheres dentro de um ambiente de cuidados de saúde, mas também a prestação de serviços de saúde e apoio durante a gravidez e a possibilidade de acompanhamento, estes fatores fazem do pré-natal um ambiente adequado para abordar questões de abuso.

A intervenção mais frequentemente testada na assistência pré-natal é uma intervenção curta de aconselhamento de empoderamento, que fornece informações sobre os tipos de abuso e o ciclo de violência, conduz uma avaliação de risco para avaliar os riscos e opções preventivas que as mulheres podem considerar e desenvolve um plano de segurança com essa gestante.

Fonte:

https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/70764/WHO_RHR_11.35_eng.pdf;jsessionid=00B7742756DDF0448B9758FF37989EC1?sequence=1

http://www.scielo.br/pdf/jped/v94n5/0021-7557-jped-94-05-0471.pdf

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4361157/. Intimate Partner Violence During Pregnancy: Maternal and Neonatal Outcomes

https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpubh.2019.00043/full

Créditos de imagem:

<a href=”https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/fundo”>Fundo foto criado por jcomp – br.freepik.com</a>

 

Compartilhe isto: